quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Jardim todo o ano – Dezembro

Vaso de suculentas a meio do mês de dezembro

Estamos prestes a terminar dezembro e com ele o ano de 2021. É a altura de verificar a evolução na horta/jardim e de fazer um balanço ao ano.
Embora se pense o contrário, os anos nunca se repetem e cada dezembro é ele mesmo, por vezes bastante diferente do ano anterior e, certamente do seguinte.
As couves de pensa comidas pelos pardais
As plantas gerem a sua vida com o período da luz, com a temperatura e com a humidade que recebem. O outono foi seco e frio. Só assim foi possível el comer tomates da minha horta no Natal e ainda tenho alguns para o ano novo. Esperei todo o mês pela chuva, que tardou em chegar. Só próximo do Natal caiu água digna do nome de chuva. Tinha pensado plantar os alhos, mas ainda não aconteceu. 
Dezembro foi um mês de limpeza. Arranquei o resto da horta, algumas plantas ainda com flores, mas que já não tinham hipótese. Cortei tudo para a compostagem que ficou a abarrotar. Mais uma vez deitei os tomates verdes (muitos cereja) e fisális para a compostagem. Tenho a sensação de que me vou arrepender… vão nascer pela horta toda, quando espalhar o composto.
As roseiras perderem as folhas, mas ainda não foram podadas. Têm algumas rosas, parte delas bonitas e outras que apodrecem com a humidade. Atraso sempre a poda das roseiras porque não quero que elas rebentem muito cedo, por causa das geadas.
Os diospiros comidos pelos pardais
Também ainda não podei as três videiras que tenho. Não o fiz porque tenho nabiças perto delas e não quis andar a pisá-las, mas já o devia ter feito. 
No pessegueiro cortei os ramos maiores, que cresciam para o centro. Já há dois anos que quase não produz frutos. Foi atacado pela lepra. As folhas caíram todas e a árvore foi enfraquecendo. Este verão, por duas vezes, apanhei manualmente todas as suas folhas, que queimei. Embora a árvore ficasse com um aspeto deplorável, recuperou e desenvolveu muita madeira nova, o que abre boas perspetivas para o próximo ano. O pessegueiro frutifica em madeira do ano anterior. Mais tarde farei uma poda mais aprimorada. 
Bolbos que retirei da terra e que plantei em dezembro

Deixei os dióspiros na árvore, mesmo depois dela já não ter folhas. Queria que chegassem ao Natal, para fazerem de decoração, mas depois das maçãs terminarem os pardais descobriram que os frutos já estavam doces e estavam a come-los todos. Tive mesmo que os apanhar. Nesta altura tenho ainda frutos na tangerineira (já bonitos e comestíveis) e no limoeiro (que no inverno passado sofreu bastante).
As couves de penca cresceram pouco. Os pardais também as comem muito. Tenho ainda na horta, além das nabiças, alho francês, acelgas, brócolos e cenouras.
As rosas mesmo com a chuva são grandes e vistosas

Também no jardim algumas espécies tiveram uma floração atrasada. Os crisântemos ainda estão com muitas flores. O verde ainda não abriu! Estão ainda em flor, os cravos-túnicos, as margaridas-do-cabo, os catos-do-Natal, bocas-de-lobo, calêndula, urze e algumas gazânias.
 Nasceram por todo o lado gazânias, cravos-dos-poetas, esporas e amores-perfeitos. Tenho transplantado alguns amores-perfeitos, as restantes espécies vão ser arrancadas e descartadas quase na totalidade. Já tenho muitos exemplares de cravo-dos-poetas e gazânias. Das esporas deixarei alguma que nasça num local conveniente, uma vez que nascem às centenas.
Allium neapolitanum, Foi o primeiro bolbo a florir

No início do mês comprei 20 metros de manta térmica. Depois de andar vários anos a dizer que era uma solução que não me servia, decidi fazer a experiência. As suculentas sensíveis estão em vasos, taças e floreiras. Os vasos mais pequenos passaram todo o ano dentro de caixas plásticas de fruta. Eu costumo dizer que o meu jardim de suculentas é móvel. Sempre é mais rápido mudar uma caixa com meia dúzia de vasos, do que mudar vaso a vaso. Tem as suas desvantagens: não é bonito e as plantas crescem pouco, devido ao tamanho dos vasos.
Manta térmica que protege as suculentas
Recolhi as espécies mais sensíveis para a churrasqueira, que está fechada, com vidraças. Aqui têm sobrevivido nos últimos invernos. As que já não cabiam foram alinhadas junto a uma parede e tapadas com a manta térmica. Nas duas primeiras noites fez muito vento e a manta ficou com alguns rasgões, mas agora tem-se aguentado bem.
Suculentas protegidas pela manta térmica

Não posso ainda dizer nada sobre a eficiência da manta térmica. Apercebi-me de duas ou três noites de geada mas foi antes do dia 15, ou seja antes de eu a instalar. É habitual haver grandes geadas entre o Natal e o Ano Novo, mas este ano ainda não me apercebi delas. O inverno passado foi o mais frio de todos, desde que me dedico à jardinagem (não chega a meia dúzia de anos).
As suculentas na churrasqueira estão muito viçosas, mas tenho sempre algumas baixas. Apodrecem com excesso de humidade. Aumentar a ventilação, diminui a temperatura. Tenho que procurar um equilíbrio. 
Suculentas dentro da churrasqueira

As plantas que estão protegidas com a manta térmica estão bem. Mesmo as mais sensíveis como os kalanchoe ainda não sofreram danos, mas é como eu digo, as temperaturas ainda não baixaram muito.
Sempre que não chove ou não há nevoeiro levanto a manta térmica para as plantas apanharem mais luz. 
No que toca às suculentas, nesta altura do ano são os Aeonium que se sentem bem. Bem como quem diz… Uma coisa é gostarem de viver na costa do Alentejo ou Algarve, outra é prosperarem em Trás-os-Montes. Tenho bonitos exemplares, dos mais vulgares. Sempre que um deles está com dificuldades, corto é planto uma dezena. Como pegam com facilidade, fico com exemplares para distribuir pelos amigos.
Plantação de Greenovia

Dentro dos Aeonium há também as Greenovia, pequenas, naturais das Canárias, são das minhas favoritas. As plantações correram em e as novas plantas estão em pleno crescimento. Algumas vão florir, paciência. A rosácea que floresce, perde-se.
Estou expectante com algumas orquídeas que vão florir. Embora goste muito de orquídeas é uma área onde tenho pouca experiência e tenho tido receio de me aventurar, mas como me deram algumas mudas, estou com mais entusiasmo.
Bolbos e sementes compradas

Durante este mês plantei bolbos. Alguns comprados, outros que fui recolhendo nalgumas mudas de substrato que fiz. Por norma não retiro nenhum bolbo do jardim. Não tenho problemas com ratos e não apodrecem com facilidade. Os gladíolos, ornitógalos, esparáxis, muscari e os narcisos são as espécies que se multiplicam mais. As tulipas, coroas-de-rei, jacintos, anémonas e os crócus têm-se mantido bem. As dálias têm diminuído. Os ranúnculos desaparecem ao segundo ano!
Comprei novos bolbos de ranúnculos, ornitógalo (amarelo e laranja), tulipas e vários gladíolos pequenos. Foi difícil arranjar um espacinho nos canteiros, mas lá consegui. 
Muitos bolbos já se mostram. Os primeiros foram os muscari, depois os ornitogálos (brancos), frésias, esparáxis, Íris. Há poucos dias surgiram os crocus, os jacintos, narcisos e tulipas. Só mesmo os gladíolos ainda não se mostram.
Artemisia absinthium também conhecida como absinto
Há uma espécie que tenho no jardim há algum tempo e que está muito bonita nesta altura. É uma artemísia. É um arbusto, bastante vigoroso, de cor prata, com um aroma forte. Pertence à à família das Asteraceae (margaridas), mas ao contrário da maioria das suas parentes tem flores insignificantes, quase invisíveis. A artemísia também pode receber o nome de absinto (Artemisia absinthium). O seu nome em latim faz lembrar a deusa grega Ártemis e não é por acaso. Tem utilização medicinal e é usada para o fabrico da bebida absinto.
Arranjo de Natal com suculentas e primúlas
O mês de dezembro foi também mês de arranjos de Natal. Há dois ou três anos que os faço com suculentas, mas este ano o desafio era introduzir outros tipos de plantas. Pensei nalguns arranjos mas tinha de comprar vasos com espécies pequenas para fazer os arranjos. Não as consegui encontrar. A solução voltou a ser suculentas. Estas aguentam bem um mês sem raízes. Ficam um pouco deformadas pela falta de luz em interior, mas nada se perde. Quando chegarem os Reis vão ser transplantadas para vasos e floreiras mais espaçosos.


quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

O que é uma planta suculenta?

Suculentas (do latim: succos = suco, seiva) são plantas pertencentes a mais de 60 famílias e de 300 géneros que desenvolveram tecidos de armazenamento de água especiais, em folhas espessas ou dilatadas, caules ou raízes, como uma adaptação aos climas áridos de desertos e semi-desertos.
Muitos destes habitats estão associados com altas temperaturas diurnas e mecanismos especiais evoluíram para recolher e conservar a umidade limitada que está disponível, às vezes apenas no orvalho, névoa e nevoeiro. Ao fazer com que o máximo da escassa humidade fique disponível, as suculentas podem sobreviver em habitats que são demasiado secos para a maioria das restantes plantas.
Folha suculentas: As folhas são quase inteiramente composto por células de armazenamento de água cobertos por uma fina camada de tecido fotossintético.
Exemplos: aloés, Haworthia, Lithops, Sempervivum.
Caules suculentos: Carnosas hastes contêm células de armazenamento de água sobrepostos por tecido fotossintético. As folhas estão quase ou totalmente ausente, reduzindo a área de superfície para evitar a perda de água por evaporação. Exemplos: a maioria dos cactos, Euphorbia obesa, Stapelia.
Raízes suculentas: Raízes subterrâneas carnudas e inchadas armazenam água longe do calor do sol e de animais famintos. Hastes e folhas são muitas vezes caducas e caiem durante estações secas prolongadas. Exemplos: Calibanus hookeri, Fockea capensis, pterocactus kunzei, peniocereus viperinus.
Suculentas caudiciformes: Suculentas que armazenam água em simultâneo em raízes e caules dilatados, com podendo ter folhas caducas ou folhas suculentas carnudas de longa duração. Exemplos: Ceraria pygmaea, tylecodon, Cyphostemma juttae.
Suculentas halófitas são capazes de sobreviver em ambientes marinhos deserto ou salgadas por resistência bioquímica de sal, capturando o sal a partir do citoplasma em vacúolos especiais ou excretando sal. Exemplos: salicornia, sarcocornia.
Os tipos acima podem ocorrer em combinação, utilizando mais do que um órgão para armazenar água.

Traduzido para português  a partir do texto do sítio:
http://succulent-plant.com/succulent.html

segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Jardim todo o ano - Novembro

O mês de novembro é um mês de outono por excelência, já não é verão, mas o inverno tarda a chegar e só agora nos últimos dias começamos a sentir realmente um fresquinho na cara de cada vez que saímos à rua.
O que carateriza mais este mês na minha horta/jardim é a limpeza. As árvores, roseiras e videiras perdem as suas folhas e eu apanho cada uma delas. Tenho colegas que têm um jardim sem árvores, tudo porque não querem a “sujeira” que o outono traz. Eu gosto das folhas mortas. Aproveito tudo o que posso. Sei que assim é matéria orgânica que vai voltar à terra para alimentar as plantas na primavera/verão.

As folhas pintadas de vermelho fazem um bonito quadro. Apesar de só ter uma árvore de cada espécie, a cerejeira decorativa (Prunus serrulata), o pessegueiro e o diospireiro competiram entre si para ver quem ficava mais bonito. Apesar dos frutos no diospireiro, acho que ganhou a Cerejeira. Pela cor e pela consistência das folhas coloridas, foram também as escolhidas para o arranjo de outono que a esposa fez com os seus alunos na escola.
No jardim não houve flores novas. As gazânias têm flores que não abrem por falta de sol. Resistem algumas dálias, bocas de lobo e rosas, que se esforçam por abrir, já com muita dificuldade.  Ao apanhar as folhas secas deparei-me com uma pequena planta com duas flores. Trata-se de planta flor-de-charuto (Cuphea ígnea) que plantei muito pequena no início da primavera e nunca mais reparei nela. É bastante curiosa. Espero que cresça, porque mal tive condições para tirar uma fotografia de tão pequena que é.
Este é o mês dos crisântemos. Não floriram a tempo para o Dia do Fiéis Defuntos e tivemos necessidade de comprar alguns. Os do jardim, só agora no final de novembro, é que estão em plena floração.
Em novembro são de destacar também as bagas de alguns arbustos: cotoneaster e azevinho. As aves já terminaram de comer as pequenas maçãs que deixei para elas na macieira, mas agora estão a comer-me as couves de penca. Não estou muito satisfeito.
A espécie que está cada vez mais bonita é a Margarida-do-Cabo (Osteospermum ecklonis). Apreciam o frio e têm cada vez mais flores. As variedades mais invulgares foram desaparecendo, mas as que restam propagam-se sozinhas por sementes. Acho que vou aproveitar algumas das plantas que nascem. Costumo fazer a propagação por estaca, no verão, mas a taxa de sucesso não é boa.
Ainda não podei as roseiras. Recolho as folhas que caiem e aprecio as poucas rosas que vão resistindo.
Na horta o frio dos últimos dias do mês veio acabar de repente com algumas culturas que ainda resistiam. Ainda tenho tomates, mas as plantas não aguentam mais o frio. Os pimenteiros e as malaguetas também se foram abaixo de repente. Já estava à espera, mas não tive coragem de arrancar as plantas ainda com frutos. Mantenho cenouras e alho francês.
Também fiz uma limpeza nas ervas aromáticas. Por norma, quando tenho em excesso, dou, mas desta vez já não estavam com o melhor aspeto e lá tive de cortar salva, hortelã e cidreira para a compostagem. Já tenho muita seca e como há sempre verde, não se gasta.
Ainda não colhi os diospiros. A planta já não tem folhas, mas os frutos ficam bonitos na árvore despida. Tenho andado a comer alguns que me deram e logo que terminem apanharei os meus. Já estão doces, bem sei, já provei.
A tangerineira já tem os frutos bem coloridos. Já comi uma tangerina. Apesar de já estarem docinhas, vou deixá-las mais algum tempo. É a primeira produção!
Novembro é o meu pior mês, no que toca às suculentas. Já sei que a maioria não aguentaria o inverno se as deixasse sem proteção. Fui adaptando a churrasqueira para as proteger, mas à medida que foram aumentando o espaço não é suficiente. É doloroso escolher quias é que vão passar dezembro/ janeiro protegidas e quais vão ter que suportar as baixas temperaturas que se vão fazer sentir.
Já ouvi milhares de pessoas a dizerem que deixam as suas suculentas ao tempo, que não protegem nada! Mas também já ouvi muitas a dizerem, perdi quase tudo, vou ter que começar de novo, vou desistir. Eu gosto mesmo de cada uma das minhas plantas e faço tudo o que posso apara que elas não morram.
A solução que muitas pessoas adotam é a manta-térmica. Decidi meter na churrasqueira todas as plantas possíveis e tentar proteger mais algumas com a manta-térmica. Comprei 20 metros, que rapidamente gastei! Foi difícil juntar as plantas de forma a cobrir o maior número possível. Tem feito muito frio e muito vento, o que me dificultou a tarefa. Na primeira noite a manta-térmica rasgou-se em vários locais. Houve vasos tombados e plantas partidas. Não foi animador. Só ainda passaram dois dias. Vamos esperar, para mais tarde fazer um balanço.
Ao mudar os vasos verifiquei que algumas plantas já tinham marcas do frio, principalmente os Kalanchoe. São muito sensíveis. Nos Sedum, Crassula, e Echeveria não notei nada.  As minhas suculentas estão muito bonitas. Este ano tive um contratempo, uma grande queda de ganizo. Levaram todo o verão a recuperar, mas agora estão bem. Espero que aguentem o inverno, quer o frio, quer a pouca luz que vão ter.
Novembro é o um mês bom para os Aeonium. Tive algumas baixas durante o verão, mas as rosáceas que plantei estão agora bonitas, já formaram uma planta. Tenho andado a multiplicar as Greenovia. Algumas já estão com raízes e a cresceram, mas quase todos os dias faço novas plantações. São das minhas plantas preferidas.
Alguns do Schlumbergera truncata (cato-do-Natal) já floriram. É uma alegria de cor. Primeiros os vermelhos, depois os brancos e estão quase a abrir os fúcsia. Tenho outras plantas que só abrirão lá para janeiro. Não se percebe bem porquê. Tenho mesmo um vaso em que metade já floriu e a outra metade vai florir em janeiro!
Comprei alguns bolbos para reforçar os que já tinha; Ornithogalum dubium (amarelo e laranja), algumas tulipas e gladíolos pequenos. Os gladíolos crescem todos os anos. Tenho muitos bolbos para plantar, apesar de já não saber onde os plantar.

domingo, 31 de outubro de 2021

Jardim todo o ano – Outubro


Na natureza não há saltos. As estações do ano desenvolvem-se progressivamente e não importa se o outono começa a 22 de setembro, tudo é gradual, mais cedo, ou mais tarde comparativamente a outros anos, dependendo de uma série de fatores.
Com a chegada dos dias frescos, principalmente as noites, algumas plantas apreciaram, outras viram acelerar o seu fim. O sol já não sobe tão alto no horizonte, os dias são mais curtos, o crescimento vegetal é mais lento. Não choveu pela Senhora da Assunção. As primeiras chuvas vieram tarde e tiveram pouco significado. Só agora que estamos no final do mês de outubro se começam a sentir alguns sinais de mudança. Ao final da tarde as chaminés já cospem fumo.

Nos últimos tempos têm acontecido várias transformações: os torrões-de-açucar (Ornithogalum thyrsoides) já saíram da terra; os lírios estão em pleno crescimento; as anémonas também já têm muitas folhas, tal como a beladona. Muitos bolbos lançaram os seus rebentos como o muscari, íxia, frésias, estreménias  e os narcisos (silvestres). A tritónia (Tritonia laxifolia), a crocosmia, a íris e os esparáxis já são visíveis. 

No jardim não é muito evidente o outono com a queda da folha. Apenas as roseiras vão perdendo as suas folhas mais baixas, mas estão cheias de rosas. Menos do que no verão, mais maiores e mais vistosas. A poda das flores velhas e a queda de alguma chuva vieram trazer um último folego de vida e elas respondem com rosas incríveis. As mais bonitas rosas são as primeiras e as últimas.
Também sinal do outono é a floração dos crisântemos. Alguns já estão abertos, mas a maioria não. Tivemos que comprar alguns para o Dia dos Fiéis Defuntos. Pela primeira vez tenho Ajania pallasiana em flor. Não é um simples crisântemo. Os crisântemos são cultivados pelas suas flores mas na Ajania (também Chrysanthemum pacificum) o interesse está na folhagem, uma vez que a flor é bastante singela. 

Também com em floração nesta altura está a salva-ananás (Salvia elegans). É um pequeno arbusto, que perde todas as folhas no inverno, mas que renasce na primavera. As suas flores são vermelhas. Dizem que a salva-ananás é um excelente aromatizante para bolos e doçaria, refrescos, batidos, saladas, gelados e licores. Esta erva aromática também combina com carne de porco, pato e legumes. As flores da salva ananás são comestíveis e combinam em saladas. Se fiz uma salada de Sedum, porque não experimentar as flores da salva. Experimentei em salada de frutas e simples. São agradáveis. Não consigo sentir o famoso aroma a ananás, mas o cheiro não é o meu sentido mais apurado.

No mês de outubro não faltam flores no jardim: gerânios, begónias (de flor), margaridas-do-cabo, gazânias, verbenas, cravos-túnicos, bocas-de-lobo, dálias, calêndulas e mesmo os morangueiros, cheios de flores e de frutos. A laranjeira-de-México (Choisya ternata) está cheia de flores. Gosto deste arbusto, de flores brancas e aroma a laranja. Mesmo as onze-horas (Portulaca grandiflora) estão cheias de flores, mas a força do sol já não é suficiente para elas abrirem.

As fruteiras estão em diferentes estádios. Os diospiros (de roer) estão a ganhar cor. Na macieira, já com a folha a cair, persistem algumas maçãs. Pensei nas aves e elas não se fizeram rogadas. Têm feito um festim à base de Golden delicious. O alperceiro (não sei se a palavra existe) e a cerejeira já estão a perder a folha. A tangerineira e o limoeiro têm frutos.

Na horta ainda não se nota o outono. Continuo a ter tomates, pimentos, malaguetas, alfaces, cenouras, brócolos, alho-francês, acelgas, rúcula e belas couve galegas. As alfaces mal crescem e os tomates têm dificuldade em amadurecer, mas vão aguentar-se até que o frio os queime. O mesmo vai acontecer aos physalis. As couves de penca e as nabiças estão no início do desenvolvimento. A falta de chuva atrasou-me com essas duas culturas.

No que toca às suculentas este tempo tem-lhes sido favorável. O verão aqui é muito quente e os dias mais frescos deixaram-nas desenvolver um pouco mais. Os Aeonium acordaram e já cresceram bastante. Dediquei alguma atenção às Greenovia. São das milhas suculentas preferidas e todos os anos por esta altura faço a replantação. Alguns Sedum e Orostachys estão a preparar-se para hibernarem. Também eu começo a olhar com preocupação para as dezenas de vasos, taças e floreiras a pensar onde os vou encaixar para proteger as suculentas do inverno.

Decidi não semear favas, nem ervilhas, a minha próxima plantação serão os alhos.
Das sementes caídas durante o verão nasceram muitas gazânias, cravos-dos-poetas, amores-perfeitos e esporas. Vou procurar um espacinho para onde as possa transplantar.

Com as chuvas de ontem e hoje muita coisa vai mudar. Novembro será certamente diferente, mas espero que seja igualmente desafiante. As plantas não conhecem os meses, mas o fotoperíodo é o seu relógio e esperam-se cada vez dias mais curtos.

sábado, 30 de outubro de 2021

Jardim todo o ano

Uma área do jardim com uma estátua, rochas e hera
Ter um jardim é um sonho de muitas pessoas e ter um jardim bonito todo o ano é o sonho de todos os que têm jardim. Quando tive oportunidade de concretizar o meu sonho, ter um jardim, uma das preocupações foi o de tentar ter um espaço e plantas que me proporcionassem prazer durante todos os meses do ano. 
Na minha casa de infância sempre houve jardim, inicialmente constituído por um conjunto de cântaros, caldeiros, panelas e outros recipientes que se iam estragando. Apesar da humildade das coisas ainda hoje recordo as espécies e devo ter algumas plantas que tiveram origem nessas que a minha mãe cultivava há mais de 50 anos. Casei com uma mulher que gosta de plantas. Deu para perceber isso no pouco tempo de namoro que tivemos. A vivermos em casas alugadas durante cerca de 25 anos, mais de meia dúzia de casas, sempre tivemos plantas, aquelas que era possível ter. 
Preparação da área das aromáticas


Quando em 2016 comecei a planear um pequeno jardim, digno desse nome, todo o gosto que sempre tive por plantas foi posto à prova e construí o nosso jardim, discutível, mas o mais bonito de todos. Uma das preocupações foi que fosse jardim o ano inteiro.
Os gostos são muito próprios e cada um só sabe do que gosta depois de conhecer e de apreciar muitos jardins, construindo uma imagem mental daquilo que deseja para si, juntamente com o que pode ter. Eu sabia que queria um jardim repleto de espécies, algumas autóctones, rochas, canteiros de fácil acesso, áreas distintas, alguns elementos românticos e sem relva. Gosto de relva, mas exige espaço que não tenho. O jardim seria também um espaço para as aves e insetos. Pensei também em reservar terreno para algumas árvores de fruto e uma pequena horta.
Berberis (Berberis thunbergii atropurpurea)

Como a maioria das plantas vive ao ritmo das estações e é fácil escolher plantas que alindam qualquer jardim em determinada estação, um cuidado a ter é plantar espécies que fiquem todo o ano, fazendo a transição das estações e ajudando a preencher o espaço no inverno, altura em que há menos cor. Preenchem esta característica as árvores e arbustos de folha persistente. Não optei pelas árvores, por uma questão de espaço, mas a oliveira, o sobreiro, o medronheiro (é arbusto), o abeto, o teixo, são algumas das espécies que gostava de ter. Optei por espécies mais baixas mas que mantêm a folha todo o ano: alfazemas, alecrim, buxo, hebes, berberis (Berberis thumbergii), cotoneaster, azevinho (Ilex aquifolium), carqueja (Pterospartum tridentatum), urzes, evónimo, jasmim, arruda (Ruta graveolens), artemisia, hera, grevílea (Grevillea robusta), santolina (Santolina chamaecyparissus), etc. Duas caraterísticas importantes, além da folha perene, são a cor da folhagem e a produção de bagas para as aves.  A santolina e a alfazema são prateadas. O berberis (Berberis thunbergii atropurpurea) é de folha caduca mas tem a folhagem completamente vermelha. As hebes podem ter várias cores, bem como os evónimos. O azevinho, o medronheiro (Arbutus unedo), os cotoneaster produzem frutos, bagas, que servem de alimento às aves. Os cotoneaster que tenho estão todo o ano com frutos vermelhos. A piricanta (Pyracantha coccinea) também é uma boa opção para fazer sebes, formar a planta pela poda (topiária) e produção de bagas, mas não tenho esta espécie.
Gerânios


Depois de termos um conjunto de plantas base, é mais fácil pensar nas espécies que alegram cada uma das estações. Nos primeiros anos, pensei em fazer um jardim rápido, recorrendo mais a plantas da época, compradas, mas que punham o jardim bonito rapidamente, Estão neste campo as prímulas, as petúnias, as verbenas, os amores-perfeitos, etc. Agora que já passaram 5 anos as plantas compradas são cada vez menos.
A partir de fevereiro há muitas espécies, muitas delas em bolbos, que alegram o jardim, e na primavera e verão não há dificuldade de escolha. A dificuldade está no outono e inverno, uma vez que vivo numa região com invernos frios e verões escaldantes (“nove meses de inverno e três de inferno” que estão a dar lugar a “três meses de inverno e nove de inferno”). Para o início do outono podemos apostar em beladona, dálias, verbenas, amores-perfeitos, margaridas-do-cabo, crisântemos, begónias (de flor), Ciclâmen e ainda temos muitas rosas, bocas-de-lobo e calêndulas. No inverno os amores-perfeitos, as prímulas, e já são capazes de apareceras primeiras anêmonas, que são fantásticas na forma e nas cores. 
Em fevereiro é um mundo que desperta. Os bolbos de inverno começam a mostrar as suas flores: crócus, narcisos, jacintos, tulipas, etc. Inicia uma época fantástica que se prolonga até aos finais de agosto. 
Tulipas

As espécies mais representativas no meu jardim são as roseiras, lírios, gladíolos, frésias, ixias, margaridas-do-cabo, cravos-dos-poetas, gazânias, gerânios, hidrângeas, crisântemos e amores perfeitos. As plantas que não consigo manter, ou reproduzir por mim próprio, desapareceram do meu jardim. É o caso das petúnias, boninas e algumas verbenas.
As árvores de fruto seguem o seu ritmo bem marcado. Também elas podem ser estudadas para cobrirem todo o ano. Neste momento tenho frutos no diospireiro, na tangerineira e o limoeiro. Também tenho um pessegueiro, uma cerejeira, uma pereira e uma macieira. Ficou de fora uma desejada amendoeira, mas já não havia espaço para ela. É uma das culturas da região e floresce e fevereiro/março. É uma boa espécie para um jardim, nas regiões onde elas se possam adaptar bem. Tenho também 3 videiras.
Plantas suculentas
Plantas suculentas

Para complementar o jardim há uma classe de plantas que ficam bonitas praticamente o ano todo: são as plantas suculentas. Para a maior parte destas plantas não há primavera, uma vez que elas não são cultivadas pelas suas flores, mas pelo aspeto das suas folhas que são autênticas “flores”. O grande problema das suculentas é que a maioria delas é oriunda de climas quentes (América Central e Sul e África do Sul), não suportando as temperaturas baixas que aqui se fazem sentir. Tenho de contar com temperaturas de várias noites abaixo de zero, com possibilidade de pontualmente serem atingidos 10 ou 12 graus negativos. É a morte certa para estas plantas. Com vários anos de prática fui selecionando plantas que suportam melhor as baixas temperaturas. Seduns, algumas Echeverias, Aloes, Cotyledon, Crassulas e Senecios aguentam no jardim todo o inverno sem qualquer proteção. Das várias centenas de espécies de suculentas que possuo, posso dizer que 95% tem de ser protegida durante o outono/inverno. Isso faz com que estas espécies não sejam plantadas no solo, mas se encontrem todas em pequenos vasos, fáceis de transportar e de acomodar. 
Echeveria rainbow

O mundo das suculentas é vasto, entusiasmante e viciante. O entusiasmo pode ser tanto que leve à compra compulsiva de plantas na ânsia vã de conseguir todas as espécies. O género Aizoaceae tem 2000 espécies, as Crassulaceae são 1300 e os Catus 1600! 
Administrei até ao início do ano, no Facebook, o grupo Suculentas-Portugal que junta atualmente 145 mil membros. Vi-me na necessidade de abandonar o cargo porque as tarefas administrativas me ocupavam tanto tempo que eu já não tinha oportunidade de aprender e de cuidar das minhas plantas.
Na horta tenho feito as culturas mais normais como cebolas, alhos, couves, alfaces, feijão, tomate, pimento, malaguetas, espinafre, cenouras, beterrabas, etc. Também já tive nalguns anos, favas, ervilhas, batatas, rabanetes, pepinos, beringelas, alho-francês, etc. Por norma não faço sementeira, compro as plantas prontas a plantar. 
Coprosma kirkii variegata coberta de geada

Outra das áreas que a horta/jardim abrange é a das ervas aromáticas. Aqui há algumas culturas permanentes como a salsa, hortelã, poejos, loureiro, sálvia, tomilho, alecrim, alfazema e carqueja. Tenho também coentros, que semeio várias vezes ao ano e o manjericão, que compro.
Para desgosto meu, não tenho nenhuma fonte de água própria, rego com água da rede pública. Por vezes a fatura mensal chega aos 40€. Não sei se é muito para outras pessoas, mas para mim gostava que fosse menos. 
Faço compostagem de tudo o que é possível. O composto é aplicado na horta aquando das plantações. Não faço tratamentos para fungos ou outras doenças e pragas. Já tive alguns problemas por exemplo no feijão, nos tomateiros e no pessegueiro, mas esta é uma opção que faço.
Taça com Sedum

O Grupo Aprendiz de Jardineiro, no Facebook criou a rubrica “Jardim todo o ano”. Pretendo, mensalmente fazer o ponto da situação do meu jardim/horta. Não no intuito de mostrar nada, mas de registar, refletir e partilhar com quem quiser ler a evolução de algumas espécies longo do ano.
Não é um jardim grande. É um espaço pequeno, cheio de cor e de vida, onde não cabe mais uma espécie. Não compro plantas novas há algum tempo. Recebo plantas que me dão e que troco com várias pessoas pelo país. Também partilho, presencialmente, com familiares e amigos. Esta paixão pela jardinagem é entusiasmante e contagiante. Para mim (já) não é dispendiosa e é relaxante. Um jardim todo o ano, tem trabalho todo o ano, mas essa conversa fica para outra altura.
Boa jardinagem.

sábado, 6 de janeiro de 2018

Dezembro

Dezembro chegou, com pouca chuva e com temperaturas muito mais amenas do que no ano anterior. De qualquer forma, há um nervoso miudinho no ar e não consigo dormir descansado com as suculentas sujeitas ao sabor da sorte. Fui seleccionando aquelas que me parecem mais sensíveis e coloquei-as num local mais abrigado.
Os efeitos do frio ainda são poucos, apenas são visíveis nalguns que elenco Kalanchoes. Os Ciclames estão floridos e fazem a alegria da churrasqueira. Têm muitas mais flores do que no ano anterior. Também os catos do Natal (Schlumbergera) estão em flor. Têm cores variadas mas alguns foram comprados recentemente. Muitas vezes quando mudam de ambiente abortam a floração, acando os botões por caírem sem abrirem completamente.
No interior as coisas não têm corrido nada bem. A língua de sogra  começou a manifestar sintomas de doença. Possivelmente é excesso de rega. Apenas é regada uma vez por semana, mas estou em crer que, mesmo assim, é em demasia. Cortei algumas folhas em pedaços na tentativa de que ganhem raiz. Dois arranjos de suculentas que mudei para o interior rapidamente cresceram frágeis e sem cor. Decididamente estas plantas dão-se muito mal com pouca luz.
Os Kalanchoes estão todos prestes a florir! São plantas que apenas florescem quando os dias são curtos. Estiveram sempre na churrasqueira, que é aberta, onde há luz, mas também se sente o frio. A experiência do ano anterior não é nada tranquilizadora, mas vou mantê-los no mesmo local, talvez aguentem o inverno. As calêndulas, juntamente com os amores-perfeitos são a alegria do jardim. São as únicas plantas em plena floração nesta época do ano. O jasmin já mostra sinais de ter sido afetado pela geada. Os morangueiro estão cheios de flores e de morangos, mas já não amadurecem. Até as aves que deles se alimentavam devem ter arranjado uma alternativa, porque não têm aparecido.
As nabiças, da terceira sementeira, nasceram bem, mas crescem muito pouco. Todas as couves caíram  com os fortes ventos que se fizeram sentir já por duas vezes. Coloquei-lhes estacas, mas estão em situação delicada. Felizmente o solo já tem humidade e as couves são excelentes sobreviventes. As tronchudas não formaram grandes repolhos, mas, mesmo assim vão servir para o Natal.
O quebra-vento que ergui a meio das fruteiras não aguentou o vento. A terra ainda estava fresca, as estacas eram pouco profundas e possivelmente o vento foi forte. Reforcei a estrutura com mais estacas.
Há algumas, poucas,  roseiras que estão ainda em flor. Procedi já à poda de um grupo delas, aquelas que já não tinham folhas verdes, mas outro grupo ainda ficou.
Retirei todo o revestimento de pedras da taça de suculentas à entrada da casa. Numa primeira faze as pedras ficam bonitas, talvez até ajudem a manter a humidade, mas também me parece que no pico do verão as pedrinhas fiquem demasiado quentes para as plantas. O Sedum luteoviride está bastante avermelhado e bonito. No geral, os semprevivos parecem estar a apreciar o tempo mais fresco e húmido. Estão mais verdes e estão a abrir. Sou levado a pensar que de verão não os devo expor tanto. O seu crescimento quase parou.
Nasceu uma grande quantidade de amores-perfeitos em todos os canteiros. O resultado da fecundação curzada deu origem a cores e tamanhos completamente novos. Os amores-perfeitos azuis, pequenos, que aguentaram em flor todo o verão, praticamente desapareceram. Estou a espalhar plantas desta espécie por todos os espaços vazios. Não consigo arrancar as pequenas plantas e deitá-las fora, por isso, ficam todos.
A Hydrangea já não tem folhas. Limpei alguns rebentos do ano anterior que espetei em vários locais. Apesar de inicialmente não ter apostado nesta espécie, a única planta existente tem-se portado bem e estou a tentar conseguir mais plantas.
Cortei todos os crisântemos e aproveitei para mudar alguns de local. Já começavam a deitar novos rebentos na base e pareceu-me a melhor altura para os mudar, apesar de alguns ainda terem flores. Também procedi à limpeza de todas as dálias. Estou a pensar também mudar algumas de local, mas essa mudança ainda não foi feita.
Durante o mês de dezembro a frente da casa teve algum brilho extra, com iluminação de Natal e alguns arranjos de cedro e medronheiro. Os medronhos duraram pouco, as aves rapidamente os descobriram.
Os bolbos de inverno já começam a despontar da terra: narcisos, tulipas, crocus, jacintos, frésias e esparáxis. A cor mais bonita do outono está nos berberis, com vários tons de laranja e vermelho. As prímulas e as margaridas-do-cabo dão também algum colorido ao jardim. São duas espécies que também espero tornar mais representativas no jardim. Durante o mês de dezembro plantei duas novas prímulas.
Procedi à limpeza do alecrim. Está florido, mas tem um crescimento desmedido, invadindo espaço que não lhe pertence.
Na horta plantei cebolas de inverno e alhos.